Aceitar. Aceitação

Oi, gente! Tudo bem?

Vamos bater um papo sobre aceitação?

Tenho uma amiga com uma dificuldade grande em aceitar o fim do relacionamento. Ela não deixa o cara ir e ele, por sua vez, também não a deixa ir. Então um fica culpando o outro pelo término, quando o melhor para ambos seria aceitar que a relação não está mais funcionando e cada um seguir seu caminho.

Mas o que é aceitação? Aceitação é o ato ou efeito de aceitar, que por sua vez, significa concordar ou conformar-se com algo. É entender que, a partir de determinado momento, o melhor é fazer o que é melhor pra você, e isso diz respeito tanto a relacionamentos quanto a qualquer outra área da sua vida.

É deixar ir. Deixar se afastar. Deixar de sofrer. É ter a certeza de que você deu seu máximo, mas infelizmente não deu certo. É abrir mão para o seu próprio bem. É abrir mão para que coisas melhores encontrem o caminho até você. É se aceitar. Olhar no espelho e não sentir necessidade de ser de outro jeito por conta do gosto de alguém. É deitar a cabeça no travesseiro e ter a mente tranquila por ter dado o seu melhor.

Então eu te pergunto: você tem aceitado?

Aceitação está diretamente ligada à lei do desapego, então pratique-a. Pois quando você desapega de algo que não faz mais sentido estar na sua vida, você abre portas e janelas para que coisas novas cheguem até você. Não vejo motivo para não experimentar!

E assim, novamente eu dou uma pausa nas minhas postagens aqui no Purcinos. Minhas aulas voltaram na semana passada e eu já tenho muita coisa para fazer. Mas sempre que tiver um tempinho vou preparando conteúdo para vocês para quando eu voltar em dezembro.

Todos os textos que escrevi, de certa forma, são bem pessoais para mim e, se você prestar atenção, vai perceber a ligação entre eles… Autoconhecimento. Tem sido um tempo de autodescoberta para mim e desejo de coração, que para você também.

 

Até dezembro. Eu volto, viu? 😉

Um beijo! ;*

Anúncios

Livre para voar

Oi, gente! Tudo bem?

Esses dias estive pensando para onde iria se pudesse voar. Todo os lugares que desejo visitar surgiram na minha mente: Egito, Paris, Suíça, Dinamarca… Me peguei imaginando como seria quando chegasse nestes lugares, como seria o impacto de uma cultura diferente.

Eu sempre quis conhecer o mundo. Na verdade, ainda quero. Infelizmente isso ainda não é possível, mas acredito que esse tenha sido um dos motivos pelos quais me apaixonei pela leitura e escrita: poder estar onde quero e quando quero. Dessa forma, sempre visitei os lugares que quis, ainda que através da minha imaginação.

Mas pensando para onde iria se pudesse voar, me dei conta de que estou exatamente onde deveria estar, porque voar não significa apenas ir para outro lugar, mas também ser livre para ser quem você deseja ser.

Então te faço uma pergunta: você tem voado? Tem tido liberdade para ser você?

Muitas vezes isso é complicado, principalmente quando estamos passando pela adolescência e nossa família não aceita algumas coisas. Ou quando estamos descobrindo alguma característica nossa e somos criticados por nossos amigos. É normal. O que não deve ser normal é você se retrair e passar a mascarar aquilo que você é por conta da opinião alheia.

Seja sempre você mesma. Nunca aja contra a sua verdade para agradar outra pessoa, pois o seu compromisso de felicidade precisa ser assumido apenas com você. Além disso, não dá pra agradar todo mundo, não é? Pensa nisso!

 

Até o próximo sábado.  😉

Um beijo!  ;*

Tentando “desconfusar”

Oi, gente! Tudo bem?

Hoje o texto é curtinho só pra te fazer pensar em uma palavra e no sentimento que ela causa: confusão.

Confusão entre algo que você quer ou precisa. Confusão entre seguir a intuição ou a razão. Confusão entre dois amores. A escolha sempre vai ser difícil, mas o meu conselho é: escolha o que vai te fazer feliz em todos os sentidos.

Não se prenda a opiniões alheias ao que você está sentindo e lembre-se, ainda que o opinador seja próximo a você, ele não sabe o que você está sentindo ou pensando de verdade. A opinião dele é baseada em um achometrô do que ele faria, quando na verdade nem ele mesmo sabe.

Escolha aquilo que vai te deixar com a consciência tranquila e o coração leve depois que a decisão for tomada para que o alívio tome o lugar da amargura e insegurança que ocupavam sua mente e coração e sinta-se livre de tudo aquilo que te chateava.

Você promete tentar?

 

Até o próximo sábado. 😉

Um beijo! ;*

O poder de um bad day

Oi, gente! Tudo bem?

Os últimos dias têm sido bad days pra mim. Ando confusa com muita coisa e sem saber qual passo dar a seguir ou se estou fazendo algo de errado por não estar conseguindo dar passo algum. Com base no que estou sentindo no momento, resolvi fazer desse post um conselho sincero e o mais profundo que já escrevi aqui no Purcinos.

Eu costumava ser uma pessoa sem dúvidas. Tinha certeza do que queria, quando, como e porque. Tinha traçado vários planos pra áreas diferentes na minha vida e seguia a risca um “cronograma” pra que esses planos dessem certo. Até que os planos começaram a dar errado e os resultados que eu queria não aconteciam; foi aí que eu percebi que estava crescendo, me tornando adulta e que nada acontecia na hora que eu determinava. Tudo bem. Comecei a me desprender do “conto de fadas” que imaginava pra minha vida e ser mais racional, traçando planos mais racionais, afinal, estava crescendo e precisava de maturidade pra enfrentar coisas das quais eu ouvia dizer que não eram fáceis, embora não soubesse que coisas eram essas. E assim foi durante um tempo até os planos racionais também começarem a dar errado. A tristeza se instalou na minha vida por conta da expectativa que eu criava nas coisas.

Deixei de fazer planos por um bom tempo, indo de acordo com a maré. Perdi a esperança, sabe? O que acontecia estava bom e o que não acontecia estava bom também. Mas não dá pra viver assim, então voltei a fazer planos e lidar melhor com o que acontecia quando as coisas não saiam de acordo com o que eu gostaria. Amadureci em relação e coloquei como mantra na minha vida que tudo acontece quando tem que acontecer. Que me desesperar, ficar triste e me fechar pro mundo não vai fazer com que tudo simplesmente aconteça. Não é assim que funciona.

Pensando em todas as conclusões que cheguei sobre mim nos últimos dias, cheguei a uma outra conclusão: muitas das expectativas que criamos em cima de pessoas e situações se dão pelo fato de não nos conhecermos direito. E com base nisso, meu conselho hoje é: se conheça.

Tire um tempo pra você. Repense sua vida, sua escolhas. Reflita sobre o que realmente quer pra você, o que te faz feliz, o que te empolga. Não ignore pensamentos só porque você acha que eles não te servem. Não “bata o martelo” quando chegar a uma resposta pra que não se sinta como eu estou me sentindo agora por ter feito exatamente isso – perdida, confusa. Enquanto existirem incertezas e dúvidas pense, repense e pense outra vez. Quando achar que chegou a uma resposta, pense mais um pouco. E quando tomar uma decisão e com o passar do tempo perceber que não era exatamente aquilo que queria, não se estresse. A vida não acabou porque você fez uma escolha “errada”. Sim, entre aspas porque você não sabe o que a vida te reserva. Confesso que estou tentando acreditar nisso tudo que escrevi também, mas sei que tudo tem um por quê e eu ainda vou encontrar o meu, assim como você vai encontrar o seu.

Não deixe que a tristeza se instale na sua vida, tá? E como ninguém é de ferro, quer se sentir mal? Sinta-se. Chore, grite, durma pra esquecer. Mas faça isso em um único dia. No dia seguinte, vai pra cima porque a vida continua e se não mudarmos aquilo que nos incomoda e entristece, ninguém fará isso por nós. Não transforme todos os seus dias em um bad day e aprenda com ele que, quando ele acontece, é a sua mente te pedindo atenção.

 

Até o próximo sábado.  😉

Um beijo!  ;*