E se você deixar de arriscar?

Quantos “e se” você tem guardado dentro de você?

Eu tenho um grande “e se” na minha vida, mas, a cada dia que passa, percebo que meu “e se” não teria nunca dado certo – e sou muio grata por isso.

Mas por que os “e se” acontecem?

Eu tenho uma reposta pra isso e vou dize-lá em uma única palavra: medo. Medo de arriscar, de sair da sua zona de conforto. O texto de hoje é rapidinho pra te deixar um recado. Frases curtinhas com um conselho, onde o objetivo é deixar uma única mensagem: arrisque-se.

  • Não seja escravo daquilo que não viveu para que não siga sua vida pensando naquilo que deveria ter feito. Colecione momento vividos, não desejos;
  • Desfrute das consequências de acreditar em si mesmo e sinta-se livre para ser quem realmente é;
  • Faça isso pensando no hoje. É importante sim pensar no futuro, mas não deixe que esses pensamentos te impeçam de viver o que está acontecendo contigo no presente;
  • Se você resolveu arriscar e não saiu do jeito que gostaria, respire fundo e tente relaxar, pois perder às vezes é ganhar. Além disso, tudo acontece por um motivo, o importante é encarar tudo como um grande aprendizado;
  • Sabe quando o coração acelera e você sente um frio na barriga? É a adrenalina – aposte nessa sensação;
  • E por último, mas mais importante: orgulhe-se de quem é e não tenha medo de arriscar, aposte em si mesmo e saia do seu casulo.

Muitas das vezes em que não nos arriscamos e ficamos presos aos “e se” da vida, é função de nos preocuparmos demais com o que os outros pensarão sobre nós. Mas… Isso realmente importa? A única pessoa que realmente conhece sua essência é você, então por que se prender ao que as pessoas dizem? Você conhece a sua verdade, agarra-se à ela.

Viva mais e deixe o “e se” apenas para umas pergunta: “e se eu não levar guarda-chuva e chover?”

Porque, amiga, seu cabelo, seja ele liso ou crespo, precisa estar maravilhoso em toda e qualquer situação.

 

Até o próximo sábado!  😉

Um beijo!  ;*

 

 

Recomeços

Oi, gente! Tudo bem?

Vamos falar sobre recomeços?

Recomeço: ato ou efeito de recomeçar, um novo começo.

Depois de um coração partido, de um arrependimento ou do famoso “saco cheio”, tudo começa no sonhar. A gente sonha em mudar algo que nos incomoda, ou colocar em prática algo que há muito está parado. Em seguida, vem o planejamento; começamos a traçar metas e objetivos para realizar aquilo que estamos idealizando e então, chegamos na prática e, finalmente… Dá errado.

Conhece as cinco fases do luto? Eu acredito que por toda situação frustrante pela qual passamos, enfrentamos essas fases. Se você não sabe quais são: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

Não vou dizer que cada fase tem uma duração específica, pois cada pessoa é única, então isso varia. Mas o importante é chegar à última: aceitação. Quando aceitamos todo o processo de determinada situação, conseguimos seguir em frente e então recomeçamos. Voltamos a sonhar, planejar, idealizar e chegamos à prática novamente.

Eu, particularmente, amo recomeços. As fases que vêm em consequência me encantam, pois sempre estou pensando no que posso fazer de diferente. Descobri que, às vezes, sou impulsiva e, quando coloco algo na cabeça, não tiro até conseguir. Não existe garantia de que dará certo, mas tento. Sempre. E se não der certo… As fases do luto me esperam. Confesso que demoro um pouco para chegar à aceitação, mas com persistência, consigo.

O que eu quero dizer é: se você está em uma das fases do luto, vai sair dessa. Não pense que seu mundo acabou porque não conseguiu passar no vestibular ou porque seu relacionamento chegou ao fim. Acredito muito na energia das coisas e que aquilo que oferecemos, volta pra gente. Se o que você está tentando não deu certo, reavalie a situação. Dá pra fazer algo diferente? Já pensou em um plano B? Mesmo assim ainda não aconteceu? Talvez não seja pra acontecer, ou ainda, não é o momento para que aconteça. Ainda assim, se for um sonho, não desista. Tudo o que é nosso dá um jeito de chegar até a gente. Sei que você já viu essa frase por aí, mas garanto que é a mais pura verdade.

Comece. Se não der certo, comece de novo.

Recomece.

 

Até o próximo sábado.  😉

Um beijo!  ;*

Você chama isso de relacionamento?

Oi, gente! Tudo bem?

Hoje eu vim falar de assunto delicado, afinal, quem gosta de falar sobre isso?

Tenho uma amiga em um relacionamento abusivo. Ela não percebe, não sabe se sai ou fica. Estou julgando? De forma alguma. Cada um sabe de si. Entretanto, acredito que todos que passam por isso precisam de alguém pra tentar lhe “abrir os olhos”.

Hoje eu serei essa pessoa. O texto é longo, mas você promete ler até o final?

Vamos chamar minha amiga de A. (letra inicial longe da dela). Em 2015, um ou dois meses depois de eu ter conhecido a A., o relacionamento dela acabou. Um relacionamento que tinha dado certo; durou dois anos. Lembro que na época a A. sofreu muito, chorava o tempo inteiro, dizia que não sabia como seria feliz sem o namorado, que queria morrer pro sofrimento acabar. Conforme o tempo foi passando, a A. melhorou. Percebeu que a vida continuava e seguiu em frente. Ela era uma menina linda. Sorridente, positiva, engraçada, de bem com a vida, com um amor próprio tão grande que fazia com que você aprendesse a se amar. Ela dizia que estava sendo quem ela não podia ser com o namorado porque ele a privava.

Isso tudo até a metade do ano passado, quando ela conheceu o B. (letra inicial longe da dele). Eles se conheceram através de amigos em comum e era tudo incrível. Não começaram a namorar logo de cara; eles ficavam juntos quando se viam em alguma festa e determinaram que seria daquela maneira, inicialmente. Eles se tornaram amigos. Não demorou muito pra que a A. se sentisse tão confortável com o B. a ponto de começar a contar tudo para ele. Ela sentia segurança, afinal eles eram amigos, certo?

Então eles começaram a namorar. A A. estava radiante por ter encontrado o príncipe que nunca cara nenhum tinha sido pra ela. Ele se dava bem com a família dela, fazia tudo por ela. Até que ele começou a “jogar na cara dela” tudo o que ela tinha contado pra ele quando eles eram amigos. Tem um fato importante nessa história que fez com que ele agisse dessa forma, mas não acho que cabe a mim expor tanto assim. O que eu posso dizer é que esse acontecimento faz parte de um passado distante, enterrado pela A., mas que o B. não consegue aceitar.

E foi assim que tudo começou.

O B. queria que a A. deixasse de falar com a pessoa envolvida nesse assunto, mas essa pessoa era amiga da A., além de fazer parte da família dela. Toda a história gira em torno desse fato. Ele não querer que ela converse, ela batendo o pé dizendo que vai conversar.

Você pode estar pensando “só isso?”, mas é nesse “só isso” que grandes problemas começam. O relacionamento da A. começou a ir por água abaixo. O B. a humilhava, a xingava, a menosprezava, fazia com que ela se sentisse um lixo. Ele fazia jogos psicológicos para que ela acreditasse realmente ser culpada de tudo. Uma vez a ameaçou. Uma vez deu um tapa na cara dela. Uma vez.

E esse é o argumento da A.: “foi só uma vez”.

Um dia, a A. resolveu desabafar para mim e outras amigas. Ela contou tudo de uma vez, desesperada. Nós ficamos sem reação, pois ela escondia tão bem o que estava passando que acreditávamos estar tudo certo. Depois daquela dia, a A. deixou de ser sorridente, positiva, engraçada, de bem com a vida, e o amor próprio dela desapareceu. Ela passou a se humilhar para o B. e achar que realmente a culpa de tudo era dela.

A A. tentou terminar algumas vezes, mas não conseguiu; o B. não deixava. Ficava no pé dela. Se ela o bloqueava no whatsapp, mandava sms para que o desbloqueasse ou ligava pra ela. E por que ela não o bloqueou de tudo ou mudou o telefone? Porque ela não conseguiu. A A. está em um processo de amadurecimento. Ela mudou MUITO em diversas coisas. Mas continua achando que a felicidade dela depende de um parceiro, então não consegue se afastar completamento do B. Hoje eles não estão juntos como um casal, mas estão conversando para linhar os pontos e poder tentar de novo. Entretanto, vez ou outra a A. me manda mensagem chorando falando sobre algum absurdo que o B. disse pra ela. Mas tudo nessa vida é uma questão de escolha. Estar ou não com ele, por mais que faça mal a ela, é uma escolha que só diz respeito a ela.

O mesmo vale para você.

Meu objetivo com o texto deste sábado é te fazer pensar sobre seus relacionamentos. Todos eles, não só o amoroso.

Eu sei que quando estamos envolvidas numa situação é muito difícil conseguirmos analisá-la. Mas tenta. Se fosse sua amiga ou sua irmã passando por tudo o que você está passando, o que você diria pra ela? Como reagiria?

Violência não é só física; essa imagem define bem isso:

v.jpg

Identificou seu caso na imagem? Denuncie!

A denúncia pode ser feita em qualquer delegacia ou pela Central de Atendimento à Mulher, ligando 180. A denúncia é anônima, gratuita e disponível 24 horas em todo o país. Além disso, o aplicativo Clique 180 também pode te ajudar e traz diversas informações importantes, como os tópicos da Lei Maria da Penha.

O caso da A. é apenas um dos milhares de caso que acontecem no mundo todos os dias. O medo existe, mas supere-o para que consiga ter uma vida melhor. E nem pense em vergonha ou no que as pessoas vão dizer. Quem você pensa que vai te julgar, na verdade só quer te ajudar.

Até próximo sábado.  😉

Um beijo. ;*

 

 

Eu voltei!

Oi, gente! Tudo bem?

Tô de volta! *0*

Que saudade eu estava de escrever pra vocês.

Estou de férias e finalmente tenho tempo para respirar, o que significa que meus posts aos sábados voltarão.

Sobre a minha pausa em relação ao cronograma que criei… Como preciso ser sincera, digo que deu certo e não deu. Não deu certo porque, em determinado momento, bateu a bad e eu tive uma crise existencial, o que fez com que eu não tivesse vontade de fazer nada das coisas que estipulei. E não fiz. Mas por outro lado, deu certo, pois essa crise existencial me fez repensar em algumas coisas na minha vida e a traçar novos objetivos.

E eu estou tão feliz com isso, que nem sei como explicar.

É claro que tenho problemas como todo mundo e vez ou outra bate a bad, mas com todo o tempo que eu tive pra pensar, percebi e aprendi que a gente não pode deixar que isso nos derrube. Nossa vida pode estar de pernas pro ar, mas, se você parar pra pensar, tem alguma coisa pela qual você é grata, arrisco até dizer que feliz.

Então, como sempre quero passar uma mensagem com os meus singelos textos, a mensagem desse é: não ache que porque você está passando por um momento difícil sua vida está baseada nisso e vai acabar por conta disso. Não vai, amiga (o apelido amiga como algo sincero). Busque a força dentro de você pra superar essa fase, procure soluções para tentar resolver seu problema e, acima de tudo, seja sincera consigo mesma. Reconheça suas falhas e os pontos em que precisa melhorar. Se pessoas próximas te dizem algo sobre você que te incomoda, observe-se e tente entender o motivo disso. Eles têm razão? Por quê? Se é algo que te prejudica, como fazer para melhorar?

Mas lembre-se, você tem que fazer tudo para você. É aquela famosa frase “seja a melhor versão de você mesma”, sabe? Se existem situações que você gostaria de mudar, apenas você pode fazer isso. Não espere que a solução caia do céu, porque isso não vai acontecer. Não espere que seus amigos, namorado (a) ou pessoas da sua família resolvam seu problema, pois a única coisa que eles podem fazer é te dar apoio.

Se conheça e busque melhorar o que te incomoda, além de descobrir as coisas que gosta. Eu te prometo que, quando isso acontece, quando a gente começa a florescer em meio ao nosso caos, vemos a situação de uma maneira tão diferente, que tudo melhora.

Conheça-se, tá?

Até o próximo sábado. 😉

Um beijo.  ;*